top of page

14º Domingo depois de Pentecostes

O amor aos inimigos



PRÆLEGENDUM (Est 13, 9.10-1; Salmo 119,1)

Senhor, Deus onipotente, tudo está sujeito ao vosso poder

e ninguém pode resistir à vossa vontade.

Vós criastes o céu e a terra e todas as maravilhas que estão sob o firmamento.

Vós sois o Senhor do universo.

Bem-aventurados os irrepreensíveis no seu caminho,

que andam na lei do Senhor.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo,

Como era no princípio, agora e sempre,

e pelos séculos dos séculos. Amém.



EVANGELHO de Jesus Cristo, segundo São Mateus 5, 43-48

Naqueles dias, disse Jesus aos seus discípulos: Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo (Lv. 19, 18) e aborrecerás o teu inimigo.

Eu, porém, digo-vos: Amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem.

Deste modo sereis filhos do vosso Pai que está nos céus, o qual faz nascer o sol sobre maus e bons, e manda a chuva sobre os justos e injustos.

Porque, se amais somente os que vos amara, que recompensa haveis de ter? Não fazem os publicanos também o mesmo?

E se saudardes sòmente os vossos irmãos, que fazeis nisso de especial? Não fazem também assim os próprios gentios?

Sede pois perfeitos, como vosso Pai celestial é perfeito.


Te louvamos, Senhor!


O Sermão da Montanha, 1442, Fra Angelico. Museo di San Marco dell'Angelico, Florença, Itália.

HOMILIA

Mons. Jonas

Exarca para o Brasil


"Sede pois perfeitos, como vosso Pai celestial é perfeito"


Hoje, neste 14º Domingo depois de Pentecostes, Jesus nos convida ao amor. Amar sem medida, pois a verdadeira compaixão é a medida do amor verdadeiro. Deus é Amor: “Ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e chover sobre justos e injustos” (Mt 5,45). E o homem, centelha de Deus, deve esforçar-se por assemelhar-se cada vez mais a Ele, “para ser verdadeiramente filho do vosso Pai Celestial”.


Onde encontramos o rosto de Cristo? Está no próximo, aquele que está mais próximo de nós: nossa esposa, nosso marido, nossos filhos, nossos pais, nossos irmãos, nossos amigos, colegas de trabalho... É muito fácil sentir compaixão pelas crianças atingidas pela fome na Etiópia, quando vemos isso na televisão, ou pelos imigrantes que chegam ao nosso país todos os dias. Mas, e em casa? E nossos colegas em nosso trabalho? E aquela parente distante que mora sozinha e que poderíamos visitar para lhe fazer companhia por um tempo? Como agimos em relação aos outros? Como demonstramos nosso amor por eles? Como os servimos?


É muito fácil amar alguém que nos ama. Mas o Senhor convida-nos a ir mais longe, porque "se amares quem te ama, que recompensa terás" (Mt 5,46). Ame seus inimigos! Amar quem conhecemos jamais retribuirá o carinho, nem o sorriso, nem um favor. Simplesmente porque eles nos ignoram. O cristão, cada cristão, não deve amar de forma “interessada”, não deve apenas dar um pedaço de pão ou uma esmola a quem espera no sinal de trânsito. O cristão deve doar-se. O Senhor, morrendo na cruz, perdoa aqueles que o crucificam. Sem censura, sem reclamação, sem grosseria...


Amemos, meus irmãos, sem esperar nada em troca. Quando chega a hora de amar, temos que guardar nossas calculadoras. Perfeição é amar sem medida. Temos a perfeição nas mãos, no meio das nossas ocupações diárias. Fazendo o que precisamos fazer, o que é necessário que se faça, em todos os momentos e não o que queremos fazer. A Mãe de Deus, nas bodas de Caná, percebe que o vinho dos convidados acabou. E ela toma a iniciativa. Ela pede ao Senhor que faça o milagre. Também nós lhe pedimos o milagre de saber descobri-Lo através das necessidades dos outros.


A Ele seja a glória, o louvor, pelos séculos dos séculos. Amém.



ORAÇÃO

(da Coleta, da Divina Liturgia Galicana)


Senhor, nosso Deus, Pai Todo-Poderoso, que derramais vossas bênçãos sobre os bons e os maus, os justos e os injustos, permiti-nos, por vossa graça, amar nossos inimigos, não odiar aqueles que nos perseguem e, assim, imitar vosso único Filho Jesus Cristo, nosso Senhor, que vive e reina convosco e com o Espírito Santo, um só Deus pelos séculos dos séculos. Amém.



SANTOS DO DIA

São Remacle, bispo de de Maëstricht (+663)

Santo Elói, Ministro do Rei Dagoberto, procurava um monge para estabelecer a vida monástica em Limousin. Ele recorreu à Abadia de Luxeuil e mandou chamar São Remacle. Dagoberto abriu a bolsa e deu-lhe terras, assim nasceu a abadia de Solignac, na França. Ainda a pedido de Santo Elói, que se tornara bispo de Noyon-Tournai, veio para as Ardenas, então povoadas por cristãos muito imperfeitos. Eles até mataram sucessivamente dois de seus bispos. Auxiliado pelo rei Sigeberto e São Elói, Remacle fundou uma abadia em Corbion, perto de Bouillon, na Bélgica, e duas outras em Stavelot e Malmédy. A sua prosperidade durou dez séculos e os habitantes acabaram por ser bons cristãos.

São Remacle possuía um burro para transportar as pedras que utilizou para construir o seu mosteiro. Enquanto ele descansava perto de uma pedreira, um lobo se lançou sobre o burro e o matou. São Remacle condenou-o então a cumprir o ofício de vítima.

Fonte: Nominis.


Santa Febe, diaconisa em Cencréia (século I)

Santa Febe viveu em Corinto e São Paulo a menciona em sua epístola aos Romanos. Querendo fazer desta cidade o centro das suas missões na Acaia, viveu com Áquila ou com Febe. Ela se tornou diaconisa em Cencréia, um dos dois portos de Corinto.


Santo Aigulf, Abade e Lerin, mártir (+660)

Ele era originário de Blois e foi antes de tudo um monge da abadia de Fleury (ou Saint-Benoît-sur-Loire). Foi um dos que participou da transferência das relíquias de São Bento de Mont-Cassin para Fleury. Ele foi chamado para reformar a abadia de Saint Honorat.

Nomeado Abade de Lérins, reavivou o fervor monástico ao substituir a regra de São Bento pelas regras específicas que vigoravam na Abadia de Lérins. Foi morto na companhia de alguns companheiros exilados com ele entre a Córsega e a Sardenha: tiveram-lhes a língua cortada e os olhos arrancados.

Fonte: Nominis.


Santa Basilisse, mártir em Nicomédia na Bitínia (+309)

Durante a perseguição de 303-304, ela tinha apenas nove anos, o que não a impediu de ser presa e submetida a torturas. Eles perfuraram seus tornozelos, através dos quais passaram uma corrente para pendurá-la de cabeça para baixo. Em vista da sua coragem e da sua fé, o juiz libertou-a. Alguns anos depois, ela adormeceu em paz para se juntar ao coro dos santos.


São Mansueto, bispo de Toul (+350)

Provavelmente originário da Escócia, veio a Roma para ali fazer estudos teológicos e foi enviado por São Dâmaso à Gália. Ele foi, portanto, o primeiro bispo de Toul. Um homem apostólico que pela sua palavra e pela sua vida batizou o seu povo na fé em Jesus Cristo.

Fonte: Nominis.



17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page