top of page

16º Domingo depois de Pentecostes

Atualizado: 24 de set. de 2023

As Bem-aventuranças



PRÆLEGENDUM (Sl. 118/119, 1-2.10)

Bem-aventurados aqueles, cujo caminho é imaculado,

que andam na lei do Senhor.

Bem-aventurados os que guardam as suas prescrições,

e de todo o coração o buscam.

De todo o meu coração te busco:

não me deixes transviar dos teus mandamentos.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo,

Como era no princípio, agora e sempre,

e pelos séculos dos séculos. Amém.



EVANGELHO de Jesus Cristo, segundo São Mateus 5, 1-12

Naqueles dias, vendo Jesus aquelas multidões, subiu a um monte, e, tendo-se sentado, aproximaram-se dele os discípulos.

Abrindo então a sua boca, os ensinava, dizendo:

"Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus.

Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a Terra.

Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados.

Bem-aventurados os que têm fome e sede da justiça, porque serão saciados.

Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia.

Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus.

Bem-aventurados os pacíficos, porque serão chamados filhos de Deus.

Bem-aventurados os que sofrem perseguição por amor da justiça, porque deles é o reino dos céus.

Bem-aventurados sereis, quando vos insultarem, vos perseguirem, e disserem falsamente toda a sorte de mal contra vós por causa de mim.

Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus, pois também assim perseguiram os profetas, que existiram antes de vós.


Te louvamos, Senhor!



HOMILIA

proferida por São João de Saint-Denis

em 1967, pela ocasião da Solenidade de Todos os Santos


[...] Mas hoje quero falar especialmente do Evangelho das Bem-Aventuranças.

Com efeito, se olharmos para o mundo de todos os tempos, a humanidade vive num ritmo sonolento. Como diz Cristo: “Nos últimos tempos, como no tempo do dilúvio, as pessoas se casarão, farão negócios...”, e não perceberão que os tempos acabaram. Longe deste estado, deste ritmo sonolento, desta vigilância, deste despertar da alma e do espírito da humanidade, esta vigília – não física mas espiritual – é assegurada pelos Santos, “aqueles que estão plenamente despertos”.


Atualmente tudo caminha para uma certa racionalização da vida, mas falta uma coisa na humanidade, e por excelência no nosso tempo. Aceitemos esta hipótese: amanhã não haverá mais fomes, nem doenças graves; admitamos que com o esforço da civilização, da tecnologia, da ciência alcançamos um certo bem-estar, o que faltaria essencialmente a todo este progresso? Tudo seria pessoal. Tudo seria anônimo e estamos agora diante do problema do proletariado, do problema dos povos subdesenvolvidos, do problema das massas. Não há espaço para a pessoa!


O que é esta falange de santos na história do mundo? Precisamente, dá esta resposta da pessoa e da personalidade à história do mundo, e, se não houvesse santos no mundo atual, não haveria mais como escapar do anonimato. O a-personalismo tem o seu valor, não o nego, mas na Trindade não existe apenas a Divindade, existem as Três Pessoas: da mesma forma a humanidade precisa das pessoas. Quem substituirá Deus e os santos? Somente o desespero, a revolta, e esse desespero-revolta é o grito da humanidade que não pode existir anonimamente, tornar-se totalmente apessoal. Um Santo não representa um tipo, não se enquadra numa categoria, é uma resposta pessoal. É por isso que, no mundo de hoje, chegamos a este paradoxo: para que a pessoa humana se destaque diante de Deus, são essenciais as provações e as incompreensões.


A última concordância das Bem-Aventuranças é: “Bem-aventurados sois quando as pessoas vos insultam, quando vos perseguem…” Você percebe este paradoxo? Você é feliz porque é perseguido, porque é caluniado, é abençoado porque tem sede de justiça! E se você tem sede de justiça é porque não a obteve. Bem-aventurado se você é pobre de espírito! E se você é pobre é porque sabe que está faltando alguma coisa! Então, veja você, nenhum conforto, nenhum bem-estar, nenhuma tranquilidade pode lhe dar essa “personalidade” humana. E chegam, na nossa vida pessoal, na nossa vida coletiva, provações, perseguições, carências, preocupações, desejos de justiça que não conseguimos satisfazer, ou mesmo este outro paradoxo: atitudes de misericórdia, de pureza, de mansidão que resulta em conflito. Mas os Santos crescem neste conflito para libertar a pessoa humana diante de Deus, para gritar a necessidade da presença de Deus. Fora deste campo de batalha não existem pessoas, mas indivíduos, cartões de visita, passaportes. Os santos são abençoados como se a sua vida tivesse duas faces: uma de provações para forjar a pessoa que parece sucumbir ao desespero, e a outra parte da sua vida que é a entrada na bem-aventurança. Abençoado, nove vezes abençoado, tal é o significado da prova! [...]


“Bem-aventurados os pobres de espírito”, pobres porque precisam de Deus. Veja que, nas aparências, o homem das Bem-aventuranças é um ser fraco, que as Bem-aventuranças se opõem à psicologia de um homem satisfeito, de uma humanidade satisfeita que proclama: “somos adultos, podemos caminhar sozinhos”. Veja que ele é um homem caçado, de coração partido, um homem que deseja e não possui, que clama ao Espírito Santo: “venha habitar em nós, purifique-nos”; só este homem está na plenitude da sua liberdade e pode apresentar-se diante da face de Deus, porque, nas suas provações, não sucumbe, dirige-se a Deus, e a duas vontades, a de Deus e a do homem, venha junto. É por isso que os antigos hinos diziam que os mártires, os apóstolos, os santos, os pontífices, eram atletas. Não se engane, é nos santos que o homem se manifesta plenamente como homem. Sem o Espírito Santo, sem Deus, o homem não está completo.


É por isso que hoje, pensando na Santíssima Virgem Maria, enquanto ouvia as Bem-aventuranças, me perguntei: onde está a bem-aventurança da Virgem? Ela recebe as palavras de Gabriel: “o Espírito Santo descerá sobre ti, Ele te cobrirá”. Ela aceitou ser virgem e gerar do Espírito Santo, o Verbo. Mas ela não disse nada. José está perturbado, assim como aqueles que o rodeiam, externamente há ambiguidade: de onde vem esta criança?


Não, Maria não veio apenas gerar virginalmente a Igreja na serenidade, ela nos lançou este grande mistério: suportar sem reagir a perturbação daqueles que nos rodeiam. Maria ainda perturba muitas mentes: bendita Maria, pois eles te insultarão! Há toda uma literatura ao longo dos séculos que quer diminuir a virgindade e a maternidade de Maria. Sem este escândalo de Maria não podemos expressar realmente a personalidade de Maria diante de Deus, na sua verdadeira humildade. E é por excelência a hipóstase da humanidade.


Por isso, no Dia de Todos os Santos, podemos dizer: Maria, Mãe de Deus, e vós, todos os Santos, sejam bem-aventurados porque, graças a vós, respiramos plenamente a presença do Espírito Santo no mundo! Amém.


Toussaint, 1967. Saint Jean de Saint-Denis (Eugraph Kovalevsky).



ORAÇÃO

(da Coleta, da Divina Liturgia Galicana)


Deus misericordioso, Fonte de toda a felicidade, Abrigo dos pobres, Alegria dos aflitos, Luz dos puros de coração, Justiça dos perseguidos, nós Vos celebramos hoje por meio do Vosso Filho Jesus Cristo, nosso Senhor: as suas palavras de vida deram-nos a conhecer a imensidão do Vosso amor e a alegria que reservais para aqueles que Vos procuram. Por isso, com alegria, clamamos a Vós: Santíssima Trindade, glória a Vós pelos séculos dos séculos. Amém.




SANTOS DO DIA



Hildegarde de Bingen. Atelier de la Theotokos, Elisha. Lausanne, Suisse, 2022.

Santa Hildegarde, abadessa de Bingen (1179)

Ela era de uma nobre família germânica. Muito jovem foi confiada ao convento de Disibodenberg, um mosteiro duplo, às margens do Reno, onde monges e freiras cantavam louvores divinos em edifícios contíguos. Tendo se tornado abadessa, fundou outra comunidade em Bingen e depois uma em Eibingen. Ela viaja, vai aonde é chamada, prega nas catedrais e nos conventos, corresponde-se com todos os coroados, os pontífices do seu tempo, São Bernardo e muitos outros. Ela defende uma reforma radical da Igreja latina. Desde a infância, ela foi abençoada com visões excepcionais. Por obediência, ela os colocará no papel. Suas histórias apocalípticas (no sentido literal de desvendar fins últimos) dão ao universo uma visão surpreendente da modernidade onde a ciência atual pode ser reconhecida (criação contínua, energia escondida na matéria, magnetismo). “O mundo nunca permanece num estado único”, escreve ela. A essência do seu pensamento reside na luta entre Cristo e o príncipe deste mundo, no coração de um cosmos concebido como uma sinfonia invisível. Dante Alighieri emprestou dela sua visão da Trindade.

Fonte: Nominis.


São Lamberto, bispo de Maëstricht, mártir (+705)

Ele nasceu em Maestricht, na Holanda. Depois de ter brilhado nos campos de batalha, foi bispo de Maestricht de 668 até a sua morte, exceto por um interlúdio onde a hostilidade de Ebroïn, prefeito do palácio, o forçou a retirar-se para a abadia de Stavelot, na Bélgica, onde viveu sete anos, tão humilde e fervoroso quanto um novato.

São Lamberto retornou a Maestricht com a morte de Ebroin e teve um fim trágico, assassinado pelos que queriam roubar as propriedades da Igreja. Seu túmulo tornou-se um local de peregrinação e a aldeia cresceu até se tornar a cidade de Liège, Bélgica. 140 igrejas levam seu nome na Bélgica.

Fonte: Nominis.


São Materno, bispo de Tongeren e Colônia (+325)

Materno, evangelizador e apóstolo da Bélgica, erudito bispo de Colônia, participou ativamente do concílio de Roma em 313 e do concílio de Arles no ano seguinte. Ele tinha a confiança do imperador Constantino. Morreu em Trier, em torno de 325.

Fonte: Nominis.






14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Commentaires


bottom of page