top of page

Solenidade de Pentecostes


PRÆLEGENDUM

Rei celestial, Consolador, Espírito da verdade,

presente em toda parte e ocupando todo lugar,

tesouro dos bens e dispensador da vida,

vem e habita em nós, purifica-nos de toda mancha

e salva, ó Bondoso, as nossas almas!

Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,

agora e sempre, pelos séculos dos séculos. Amém.



HINO

Vem, criador Espírito de Deus,

Visita o coração dos teus fiéis,

E com a graça do alto os purifica.


Paráclito do Pai, Consolador,

Sê para nós a fonte de água viva,

O fogo do amor e a unção celeste.


Nos sete dons que descem sobre o mundo,

Nas línguas que proclamam o Evangelho,

Realiza a promessa de Deus Pai.


Ilumina, Senhor, a nossa mente,

Acende em nós a tua caridade,

Infunde em nosso peito a fortaleza.


Livra-nos das ciladas do inimigo,

Dá-nos a tua paz, e evitaremos

Perigos e incertezas no caminho.


Dá-nos a conhecer o amor do Pai

E o coração de Cristo nos revela,

Espírito do Pai procedente.


Louvemos a Deus Pai e a seu Filho,

Dêmos glória ao Espírito Paráclito,

Agora e pelos séculos sem fim.

Amém.



LEITURA dos Atos dos Apóstolos 2, 1-11

Quando chegou o dia de Pentecostes, os Apóstolos estavam todos reunidos no mesmo lugar. Subitamente, fez-se ouvir, vindo do Céu, um rumor semelhante a forte rajada de vento, que encheu toda a casa onde se encontravam. Viram então aparecer uma espécie de línguas de fogo, que se iam dividindo, e pousou uma sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar outras línguas, conforme o Espírito lhes concedia que se exprimissem. Residiam em Jerusalém judeus piedosos, procedentes de todas as nações que há debaixo do céu. Ao ouvir aquele ruído, a multidão reuniu-se e ficou muito admirada, pois cada qual os ouvia falar na sua própria língua. Atônitos e maravilhados, diziam: "Não são todos galileus os que estão a falar? Então, como é que os ouve cada um de nós falar na sua própria língua? Partos, medos, elamitas, habitantes da Mesopotâmia, da Judeia e da Capadócia, do Ponto e da Ásia, da Frígia e da Panfília, do Egito e das regiões da Líbia, vizinha de Cirene, colonos de Roma, tanto judeus como prosélitos, cretenses e árabes, ouvimo-los proclamar nas nossas línguas as maravilhas de Deus".

Palavra do Senhor.



SALMO 103 (104), 1ab e 24ac.29bc-30.31.34 (R. 30)

Ant.: Enviai, Senhor, o vosso Espírito

e renovai a face da terra.


Bendiz, ó minha alma, o Senhor.

Senhor, meu Deus, como és tão grande!

Como são grandes, Senhor, as vossas obras!

A terra está cheia das vossas criaturas.


Se lhes tirais o alento, morrem

e voltam ao pó donde vieram.

Se mandais o vosso espírito, retomam a vida

e renovais a face da terra.


Glória a Deus para sempre!

Rejubile o Senhor nas suas obras.

Grato Lhe seja o meu canto

e eu terei alegria no Senhor.



EVANGELHO de Jesus Cristo, segundo São João 14, 15-21

Disse Jesus: "Se me amais, observareis os meus mandamentos; e eu rogarei ao Pai, e ele vos dará um outro Paráclito, para que fique eternamente convosco, o Espírito de verdade, a quem o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco e estará em vós. Não vos deixarei órfãos; voltarei a vós. Resta ainda um pouco, e depois já o mundo me não verá. Mas ver-me-eis vós, porque eu vivo, e vós vivereis. Naquele dia conhecereis que estou em meu Pai, e vós em mim, e eu em vós. Aquele que retém os meus mandamentos e os guarda, esse é que me ama; e aquele que me ama, será amado por meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele." Judas disse-lhe (não o Iscariotes): "Senhor, qual é a causa por que te hás-de manifestar a nós, e não ao mundo?" Jesus respondeu-lhe: "Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e nós viremos a ele, e faremos nele a nossa morada. O que não me ama, não observa as minhas palavras. E a palavra que ouvistes, não é minha, mas do Pai, que me enviou. Disse-vos estas coisas, permanecendo convosco. Mas o Paráclito, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará todas as coisas, e vos recordará tudo o que vos tenho dito. Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz; não vo-la dou, como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração, nem se assuste. Ouviste que eu vos disse: Vou e voltarei a vós. Se vós me amásseis, certamente vos alegraríeis de eu ir para o Pai, porque o Pai é maior do que eu. Eu vo-lo disse agora, antes que suceda, para que, quando suceder, acrediteis."

Te louvamos, Senhor!


Ícone de Pentecostes. Escrito por São Jean de Saint-Denis, em Moutier-Saint-Martin, Amboise, 1961.

HOMILIA

São Jean, bispo de Saint-Denis, 1959


Em nome do Pai, Filho e Espírito Santo.


Tudo é surpreendente, tudo é sublime, quando se toca o Espírito Santo. Pensei quando vim à Igreja: direi isto, direi aquilo..., mas ao ouvir a leitura dos Atos dos Apóstolos, senti o desejo de falar de uma aproximação ao Espírito Santo.


O Espírito desceu sobre os Apóstolos, sobre a Mãe de Deus, sobre cento e vinte pessoas, como chamas de fogo sagrado, como amor e poder no mundo, e através deles sobre todos nós. O mundo resfriado recebeu plenamente, amplamente, a chama da vida divina.


E então, assim que o Espírito Santo tocou, penetrou essas cento e vinte pessoas, esses doze Apóstolos, qual foi o primeiro milagre, o primeiro testemunho de Sua presença? Eles começaram a falar em todas as línguas, e pessoas de todas as partes do mundo exclamaram: "Eles falam nossa língua!" Estes Apóstolos analfabetos que, dez dias antes da Ascensão, ainda estavam fazendo perguntas indignas a Nosso Senhor, preocupados com a política de Israel, procurando milagres externos, estes Apóstolos, cheios de dúvidas, tão mal preparados, naquele momento se lançaram na multidão e falaram em todas as línguas. E todos na multidão gritam: "eles falam comigo, falam minha língua!"


Eu me pergunto: que critério devo dar, é uma religião do Espírito Santo, ou é uma religião da letra? O Espírito Santo está realmente presente, ou se Ele está ausente, Ele realmente dirige a comunidade, ou nós imaginamos que Ele a dirige?


Hoje, na solenidade de Pentecostes, as palavras dos Atos dos Apóstolos me permitem responder: onde está a alma universal (católica), onde sabe falar a todos, familiarizada com as diversas mentalidades, o Espírito está lá. Mas se a alma é estreita e surda às diferentes línguas, necessidades, pensamentos, psicologias humanas, o Espírito não está presente. Isto é o que significam os Atos dos Apóstolos. Quanto mais o Espírito trabalha em nosso interior e age em nossa alma, mais compreensível se torna nosso ouvido. O homem que compreende os místicos e não os racionalistas, os materialistas e não os espiritualistas, encontra os espíritos e não o Espírito.


O Espírito Santo agarrando nossa alma, a Igreja, a humanidade, temos então esta ampliação de compreensão que inclui tudo. Quando você escuta a verdade e diz a si mesmo: este homem prega para mim, é porque o sopro do Espírito o anima; se, pelo contrário, você pensa que este sacerdote pregou bem, mas que não lhe diz respeito, é porque o Espírito está ausente.


Portanto, meus filhos, sejam filhos da luz!


Você talvez encontre no seu caminho seres, grupos, igrejas, doutrinas, métodos, que lhe afirmarão: "Conosco está a Verdade"; eles falarão bem e você será convencido. Mas vocês notarão, espero, que esta doutrina, este método, esta capela, este mestre, não abrem seus ouvidos para uma compreensão profunda; então digam a este mestre, a esta capela, a esta organização: falta o Espírito de Deus. Pois quando Sua chama desce, Ele dá aquele amor soldado ao conhecimento, o que torna os oportunistas, os indiferentes (há uma compreensão do indiferente), o ouvido se levanta, ouve. Diante do homem vibrante com o Espírito Santo, parece de repente, quando ele começa a falar, que ele pertence a todas as nações, que ele sente a "alma", a psicologia de um francês, um alemão, um grego, um sérvio, um espanhol; ele está próximo, ele descobre o intelectual, o santo, o homem inteligente ou o homem desprovido de inteligência, o infeliz ou o alegre, o bon-vivant ou o ascético.


Curiosidade estranha: os santos cheios do Espírito Santo podem alcançar uma perfeição de pureza, integridade, virgindade, podem possuir o poder de curar os doentes, adquirir o conhecimento da sabedoria que supera outras sabedorias. E no entanto, se os impuros, os ignorantes, os fracos se voltam para eles, eles encontram um ser que os escuta como um irmão e não como um superior, porque são verdadeiros santos. O santo com os ignorantes parecerá ignorante, com os fracos será como um fraco e não como um homem forte e poderoso; por humildade? sim, mas também porque o Espírito que habita nele abriu seus ouvidos, seus olhos, seu coração, de modo que ele não é exclusivo nem fechado.


No dia de Pentecostes, a notícia relâmpago do Espírito Santo, descendo como uma bomba atômica, um rio vivo de primavera, um vento impetuoso, sobre cento e vinte pessoas desconhecidas na Palestina, espalhou-se imediatamente por todo o universo. Porque pertenceu ao universo, ao interior, não ao universalismo exterior que define a presença do Espírito.


O que se opõe ao Espírito Santo e sua chama é medo, heresia, seita, espírito diminuído.


Reze, então, hoje, para que o Fogo Divino irrompa de seu coração, de sua mente, derrubando paredes e grilhões, para que ele funcione em você de tal forma que você não tenha mais paredes, mas ouvidos, espaços em seu coração para incendiar todo o universo com sua oração, com amor, com compreensão e boa vontade. Amém.


Homélie pour la Pentecôte 1959.


São Jean, no Oratório de Pentecostes, em Colombes, 1951, com o ícone de Pentecostes de sua autoria sobre o altar.

ORAÇÃO

(Do Prefácio do Ofertório, da Divina Liturgia Galicana).


Amados irmãos, estamos hoje aqui reunidos para anunciar ao nosso amado Mestre e Salvador Jesus Cristo a boa nova e a realização de seus ardentes desejos.


"Vim para lançar fogo sobre a terra", disse ele, "como desejo que seja acendido, como desejo que seja cumprido!"


Caiu do céu, ó Jesus, seu fogo desejado. Ele foi aceso em todos os membros de sua Igreja, sua Noiva que você purificou com seu Sangue.


E, intoxicados por sua queima, seus discípulos proclamam destemidamente seu nome diante dos poderosos deste mundo.


Pois a multidão das chamas de um fogo atingiu a terra. O mesmo fogo: fogo do deleite para os que crêem, fogo do inferno para os que rejeitam sua cruz, fogo que reúne brasas ardentes sobre a cabeça da morte, fogo que transforma o coração de pedra em cinzas, fogo que transforma, fogo que renova a face da terra, fogo da vida, fogo da Caridade, fogo imaterial, fogo não criado, fogo nu da Divindade, Espírito do Pai que comunica ao homem sua própria natureza.


No passado, o fogo se afastou do sacrifício impiedoso de Baal e consumiu com o holocausto as doze pedras do altar que o profeta Elias, carro e cavaleiro de Israel, apresentou a seu Deus.


Agora tremam, irmãos, e alegrem-se; sempre que Cristo é sacrificado em nossos altares, o fogo inacessível preenche invisivelmente aquele lugar santo, mas sem consumir, ó milagre do perdão, nossas oferendas e nós, seus ministros imundos.


Orem, portanto, para que o poderoso Espírito nos sustente, para que possamos trazer a santa Oblação de nosso Senhor Jesus Cristo sem perigo, pois é Ele quem verdadeiramente oferece e é oferecido, quem recebe e distribui, Aquele que é co-eternal com o Pai e o Paráclito pelos séculos dos séculos.


Nós Vos imploramos, Senhor Jesus Cristo, que nossas ofertas sejam consagradas pela virtude do Espírito Santo, que absolve nossos pecados e por quem renascemos como filhos adotivos. A Ti, co-eterno com o Pai e o Paráclito, louvor, honra, poder, força e ação de graças, para todo o sempre. Amém.


Coleta do beijo da paz: Santo Senhor, Pai Todo-Poderoso, Deus Eterno, cujo Espírito multiplica e governa a plenitude do corpo da Igreja, guarda a tua família recém-gerada e fortalecida pela graça santificante, para que nossos corpos e espíritos renovados manifestem com alma imaculada e pura de coração serena paz, Ó tu, amigo do homem, que vives e reinas com o Pai e o Espírito Santo para todo o sempre. Amém.



😇 Santos do dia


Santo Ilídio (ou Illidius, Allyre), bispo de de Clermont, França (✝ 385).

Um dos primeiros bispos do Arvernes, o primeiro foi Santo Austremoine, ele morreu no retorno de Trier onde havia sido chamado pelo imperador cuja filha estava possuída por demônios.

Ele recebeu a coroa da glória por ter zelado fielmente pela Igreja de Clermont em Auvergne, da qual ele foi bispo.

Graças a Gregórioof Tours, temos uma lista dos primeiros bispos... Illidius, ou Santo Alyre, que morreu em 385 em seu retorno de uma viagem a Trier. Milagreiro, sua tumba atraiu muitos peregrinos.

Na cidade de Arvernes, em 384, Santo Allyre, bispo. Chamado a Trier pelo imperador Máximo para livrar sua filha de um espírito maligno, em seu retorno ele foi ao Senhor.

Fonte: Nominis.



São Porchário, abade em Poitiers, França (✝ 595).

Ele era abade da abadia de Santo Hilário de Poitiers. Não conhecemos nem sua pátria nem sua família. Tudo o que sabemos dele é a indulgência e a gentileza que demonstrou aos bispos da província que haviam intervindo contra as monjas do mosteiro de Santa Radegonda. O historiador São Gregório de Tours nos dá um testemunho disso: "São Porchário foi um contemporâneo de Santa Radegonda de Poitou. Ele se tornou abade da Comunidade de Santo Hilário em 589 e foi nesta condição que ele teve que intervir para tentar acalmar a revolta das freiras da Abadia de Sainte-Croix após a morte de seu fundador. Tendo renunciado a seu cargo, ele se retirou para um recinto próximo à pequena igreja de Saint-Sauveur, localizada naquela época entre as atuais ruas de Gambetta, de la Marne e Saint-Pochaire. Foi lá que ele morreu e foi enterrado por volta do ano 600, já desfrutando de uma grande reputação de santidade. Sua tumba logo se tornou um lugar venerado. Devido ao afluxo de peregrinos a sua tumba, foi decidido construir um santuário maior por volta de 944-950. Os restos do santo, alojados em um sarcófago de pedra, foram transportados para uma cripta nesta nova igreja, à qual foi dado o nome de São Porchário". Em 1951, o sarcófago foi removido da cripta e colocado no centro do coro da igreja atual.

Fonte: Nominis.



São Austreberto, bispo de Viena, Áustria (✝ 742).

Austreberto é mencionado no catálogo de Adon de Vienne (799-875).

Louis Duchesne (1894) menciona, em sua lista anotada dos bispos de Viena, que Adon conhecia seu local de sepultamento, “localizado muito longe de Viena”.

Ulysses Chevalier indica ter recebido uma carta do Papa Gregório II, datada de 31 de agosto de 719, que lhe agradeceu “o próspero estado da Igreja da Gália e seus presentes”. Ele recebe uma segunda carta do Papa Zacarias, datada de 7 de março de 742.


23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Yorumlar


bottom of page