Manaus_vista_do_rio.jpg

QUEM SOMOS

Somos uma Fraternidade Cristã que professa sua fé na Boa Nova de Cristo Ressuscitado de forma contextualizada e acolhedora. Nossa fé está fundamentada nos sete primeiros Concílios Ecumênicos da Igreja Cristã indivisa - aquela Igreja que o Credo Niceno chama de una, santa, católica e apostólica. Celebramos os sete sacramentos (também chamados de Mistérios) e acreditamos na presença real de Cristo na Eucaristia. Formamos uma Igreja composta de pessoas de todas as idades, solteiras e casadas, organizadas em uma pequena mas crescente comunidade na capital do estado do Amazonas.

 Buscamos "perseverar no ensino dos apóstolos, na comunhão fraterna, no partir do pão e na oração" (At 2,42).

Foto: Manaus, vista do Rio Negro
2586e0b2c8c73be6637d78b629bb2877.jpg
NOSSA VISÃO

No Sermão da Montanha, Jesus nos ensinou a orar e nos instruiu a viver para que pudéssemos fazer uma diferença significativa no mundo. Usando suas palavras, definimos nossa visão da seguinte maneira:

Seremos a luz, o fermento e o sal de Cristo na nossa casa, trabalho, cidade,

no Brasil e no mundo. 

NOSSA FÉ

Fé e caridade apostólica, simplicidade, acolhida, diversidade, amizades espirituais, vida sacramental, oração e um profundo respeito por toda a criação de Deus - tudo isso marca nossa caminhada e forma o nosso ethos, no qual todas as pessoas de boa vontade 

são bem-vindas. 

NOSSA COMUNIDADE

Nascemos em 2017 como um hesicastério, palavra grega que significa lugar de "quietude, silêncio", uma tradição de oração solitária e monástica na Igreja Ortodoxa.

No entanto, Deus desejava que nos abríssemos para acolher a todas as pessoas de boa vontade, para compartilharmos de seu amor e de sua misericórdia, assim formarmos

uma comunidade fraterna. 

Em setembro de 2020 passamos a integrar a Igreja Ortodoxa da Gália que, a partir de então, criou uma eparquia para o Brasil.  

Somos uma comunidade acolhedora, aberta a todas as pessoas que buscam genuinamente viver em Cristo, livre da cultura conservadora que frequentemente torna as igrejas lugares hostis.

Compartilhamos de uma vida comunitária baseada na fraternidade, na Oração do Coração, na Divina Liturgia, no estudo das Sagradas Escrituras, na Oração das Horas, nos escritos dos Apóstolos e dos Santos Padres e Mães da Igreja.

Algumas palavras que nos definem: Acolhedor. Afirmativo. Diverso.

Muitas igrejas dizem: "Todos são bem-vindos". Nós vivemos essas palavras.

A diversidade que você vê em nossa igreja - pessoas jovens e idosas, profissionais liberais, professores, trabalhadores domésticos, servidores públicos, do campo ou da cidade, de todas as regiões do país - é refletida entre nosso corpo clerical, leigos e vocacionados.

Quando Jesus disse: "Vinde a mim, todos...", acreditamos que Ele pretendia incluir famílias de todas as definições, imigrantes e refugiados, pessoas que se amam do seu jeito,

os prósperos e os pobres.

Concluímos que, quanto mais diversificados somos, mais espelhamos o reino de Deus.

Do Rei avança o estandarte,
fulge o mistério da Cruz,
onde por nós foi suspenso
o autor da vida, Jesus.
- Hino das Vésperas da Grande Semana

SOBRE O ESPÍRITO DE NOSSA FRATERNIDADE

"Confessamos também que a Igreja universal é uma e que Ela é a plenitude da catolicidade, isto é, a união na caridade das Igrejas irmãs.
Assim, nossa Fraternidade é chamada a quebrar as cortinas de ferro entre igrejas irmãs isoladas, entre eslavos e gregos, entre o Oriente e o Ocidente. Ela se opõe a qualquer espírito de dominação de uma parte da Igreja sobre outras.
Anátema para quem se contenta com o próprio carisma local, como com uma falsa plenitude, isolando-se dos demais.
Anátema para aquele que covardemente se submete ao domínio dos mais fortes da Igreja ou que está inflado com o seu próprio valor, em detrimento da sua vocação.
Também confessamos que a Igreja de Cristo é livre, distinta de todas as formas de civilização, cultura e em particular de todos os regimes políticos, de todas as tendências sociais ... Mas ao mesmo tempo confessamos que, na história e na política humana, nada é por acaso, tudo se guia pela Providência.
Anátema para quem vincula a existência da Igreja a esta ou aquela forma de civilização ou regime político. Qualquer pessoa que coloca a Igreja a seu serviço é um traidor do sacerdócio real.
Anátema para aquele que, em eventos políticos ou na marcha da civilização, vê apenas o perigo para a obra de Cristo, a ação do Anticristo, em vez de proclamar a sabedoria da Providência divina.
Este é o pensamento ativo de nossa Fraternidade".

Padre Eugraph Kovalevsky (São João de Saint-Denis). Reunião de 1948 do centro Saint-Irénée da irmandade Saint-Photius, Forgeville n ° 5.